11 agosto 2012

Um curso muito bom pra quem tem interesse na área da informática...

           Superior de Tecnologia em 

              Sistemas para Internet



  • Duração:2 anos e meio
  • Tipo de formação:Tecnologo
  • Tipo de curso:Presencial


    O curso forma profissionais para trabalhar nas áreas de projetos, implantação e gerenciamento de ambientes web pronto para trabalhar com as diversas estruturas tecnológicas e necessidades dos clientes. Une conhecimentos tecnológicos voltados à web, como linguagem de programação, redes de computadores, bancos de dados para internet e disciplinas de cunho humanístico.

    Os estudantes terão os conhecimentos necessários para o desenvolvimento de programas, interfaces e aplicativos, comércio e marketing eletrônico, além de sites e portais para internet e intranet.

    Áreas de atuação

    Outras 
    Sua atuação é passível em vários segmentos compatíveis com a formação obtida no curso. Por exemplo, em grupos empresariais e em instituições financeiras para estabelecer e gerenciar canais de compras e leilões virtuais; para atuar na área de segurança desses sistemas; entre outros.
    Webdesigner 
    Desenvolve o processo de design de páginas web.
    Webmaster 
    Atua na administração de provedores de internet.
    Comércio eletrônico 
    Atua no processo de desenvolvimento de páginas web que executam transações comerciais de bens e serviços pela internet.
    Criação de páginas web 
    Desenvolve a programação de serviços e sistemas web.
    Administração de páginas web 
    Atua no ciclo completo para o desenvolvimento e administração de páginas web.

    19 maio 2012
    No mundo da TI é mais ou menos assim...nada se cria...tudo se copia...


     Android pode ter copiado 9 linhas de código proprietário do Java

    No tribunal o Google vem tentando se defender das acusações da Oracle a todo custo, mas a coisa vai ficando complicada. Afirmando ter tido apoio da Sun e que não copiava código proprietário, agora a posição teve uma alteração importante: "é possível" que algum código tenha sido copiado. E a Oracle identifcou ao menos 9 linhas.
    Joshua Bloch foi desenvolvedor na Sun por oito anos, indo para o Google em 2004. Logo depois passou a trabalhar no Android. Sem ter certeza absoluta, ele disse que deve ter copiado partes de código do Java no Android, pois esta é uma prática comum entre desenvolvedores na hora de reimplementar uma mesma função. Inclusive, o mesmo código foi reaproveitado no JDK (Java Development Kit).
    O bizarro é que a guerra da Oracle consiste em reclamar de apenas 9 linhas de código, aplicadas no arquivo Timsort.java (depois de desconsideradas as outras acusações). O trecho em questão já foi removido no ICS, mas quase todos os aparelhos do mercado (97%) estão rodando as versões anteriores, então o Google ainda tem com o que se preocupar.
    De acordo com Joshua Bloch ele não recebeu nenhum aviso do Google sobre possíveis problemas dele já ter trabalhado na divisão do Java na Sun. E não tem certeza se copiou o código dado o tempo que passou, mas afirma que é possível que sim e pede desculpas por isso. Claro que não adianta, afinal os diretos legais do código são da Oracle.
    Para complicar mais um pouco, o Google havia afirmado que o Android foi desenvolvido numa espécie de "sala limpa", ou seja, não usaram códigos privados de outras empresas nem conhecimentos restritos de ex-funcionários. As declarações do Bloch colocam isso em questão.
    Larry Page, presidente do Google, acredita que o grupo não fez nada de errado no processo. Só que ele (aparentemente) nunca esteve envolvido diretamente com os códigos do Android - ele simplesmente não sabe os detalhes usados no desenvolvimento. Pelo que era divulgado o Google havia trabalhado apenas com as APIs e partes públicas do Java, o que não deveria trazer problemas, mas a cópia de código identificada pela Oracle acabou complicando tudo. O julgamento prossegue...


    Vestibular Inverno.


    Curso reconhecido pelo MEC com nota 4

    Tecnologia
    Duração:dois anos e meio.
    O curso forma profissionais para atuarem nas áreas de projetos, desenvolvimento, implantação de sistemas, além de gerenciamento de ambientes web e aptos às diversas estruturas tecnológicas e necessidades dos clientes. Para tanto, alia conhecimentos tecnológicos voltados à web, como linguagem de programação, redes de computadores, bancos de dados para internet e disciplinas de cunho humanístico.
    Os estudantes terão os subsídios necessários para se habilitarem ao desenvolvimento de programas, interfaces e aplicativos, comércio e marketing eletrônico, além de sites e portais para internet e intranet.

    Para funcionario publico faça a inscrição por este link

    VESTIBULAR

    Disciplinas

    • Análise e Projeto de Sistemas para Internet
    • Atividades Complementares
    • Auditoria e Segurança em Redes
    • Banco de Dados para Internet
    • Comércio Eletrônico
    • Construção de Algoritmos
    • Desenvolvimento Pessoal e Profissional
    • Design de Interfaces para Internet
    • Design de Portais
    • Direito e Legislação
    • Engenharia de Software e Gerência de Projetos
    • Estrutura de Dados
    • Fundamentos de Análise Orientada a Objetos
    • Introdução à Organização de Computadores
    • Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e Inclusão
    • Linguagem de Desenvolvimento para Web
    • Matemática para Informática
    • Multimídia
    • Multimídia e Conectividade
    • Programação Orientada a Objetos
    • Programação para Web
    • Projeto Multidisciplinar de Autoaprendizagem
    • Redes de Computadores
    • Responsabilidade Social e Meio Ambiente
    • Sistemas de Banco de Dados
    • Sistemas de Informação
    • Webdesign
    • Webwriting
    17 abril 2012

    Aviso


    Aviso aos navegantes:

    Vai abrir vestibular no meio do ano para Tecnologias em Sistemas para Internet, na faculdade Anhanguera do Rio Grande.

    Aproveitem a oportunidade de fazer o curso, o mercado esta com deficiência de profissionais nesta área.
    Não percam os prazos de inscrições.
    06 abril 2012

    Panorama da TI no Brasil


    Panorama da Tecnologia da Informação no Brasil

    Estudo elaborado pela Brasscom avalia a formação, distribuição e salários da categoria em oito regiões brasileiras
     Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) realizou estudo sobre o mercado de profissionais de Tecnolgia da Informação no Brasil e mostrou que os salários de TI crescem acima da inflação na maioria dos estados desde 2003.
    O estudo descobriu também que a demanda é maior que a oferta de mão de obra.
    São Paulo é o estado onde a situação é mais crítica, pois contratação de profissionais em 2010 foi de quase 14 mil e as universidades formam apenas 10 mil estudantes. Rio Grande do Sul e Paraná também apresentam escassez de profissionais, porém em menor escala.
    As projeções indicam que os oito estados analisados – São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Sul – demandarão 78 mil profissionais em 2014, mas apenas 33 mil concluirão os cursos.
    A média mensal dos salários dos profissionais de TI é de R$ 2.950,00 quase o dobro da nacional, de R$ 1.499,00.
    O salário inicial para um analista de desenvolvimento de sistemas, por exemplo, é de R$ 3.980,00 no Distrito Federal, R$ 3.415,00 no Rio de Janeiro e R$ 2.950 em São Paulo, todos acima da média de R$ 2.862,00 nos oito estados analisados. No Paraná e na Bahia estão na faixa de R$ 2.200,00.
    O estudo da Brasscom traz um panorama detalhado sobre o mercado profissional de TI nos oito principais mercados do setor no País: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Sul e pode ser encontrado na integra no site www.brasscom.org.br.

    Nokia e Microsoft

    Nokia e Microsoft cortejam desenvolvedores no Brasil

    Primeiro evento para desenvolvedores acontece logo depois do lançamento dos primeiros aparelhos Lumia com Windows Phone

    Um auditório com 300 cadeiras ficou repleto de desenvolvedores na última sexta-feira (23), em São Paulo, curiosos para ouvir as primeiras palavras dos executivos da Nokia após a chegada dos primeiros smartphones da empresa com Windows Phone no Brasil. O Lumia 710 e o Lumia 800, dois dos quatro aparelhos da Nokia com o sistema da Microsoft, começaram a ser vendidos no Brasil apenas um dia antes.
    Almir Narcizo, presidente da Nokia no Brasil, fez questão de comparecer ao Nokia Developer Day, numa tentativa de atrair desenvolvedores de outras plataformas, como iOS (Apple) e Android (Google), para o “time” do Windows Phone. “Esta semana é a mais importante para a Nokia em toda a sua história no Brasil. Queremos voltar à liderança em smartphones e precisamos muito de vocês”, disse Narcizo, em um apelo aos desenvolvedores na abertura do evento.


    Foto: Getty Images Ampliar
    Celulares Lumia são aposta da Nokia no mercado de aparelhos mais sofisticados
    Apesar de estar começando sua jornada com Windows Phone no Brasil, a Nokia já tem um longo histórico de relacionamento com os desenvolvedores da região, que criam aplicativos na linguagem Qt, que serve aparelhos com o sistema operacional Symbian e MeeGo.
    Contudo, a plataforma evoluiu numa velocidade inferior a dos concorrentes, o que tirou a Nokia da liderança do mercado. “Meus amigos estão pedindo smartphones Lumia para mim. Eu não ouvia isso há muitos anos na Nokia”, disse Narcizo.

    Um ecossistema em construção
    Para retomar o mercado, a Nokia já investiu no hardware dos aparelhos, que tem uma proposta diferente de design, e no sistema operacional, por meio da parceria com a Microsoft anunciada há um ano. Com o evento para desenvolvedores, no entanto, a Nokia começa a sua terceira batalha: ajudar a Microsoft a atrair mais desenvolvedores para o Windows Phone, que hoje conta com 70 mil aplicativos.
    O número soa grande, mas ainda é pequeno perto das lojas de aplicativos dos principais rivais. O iPhone já têm quase 600 mil aplicativos disponíveis, enquanto o Android já passa dos 450 mil. “A guerra no mercado de smartphones é de ecossistemas”, disse Narcizo. “O número de aplicativos é fundamental para os consumidores.”
    Para atrair os desenvolvedores, a Nokia e Microsoft oferecem suporte local, algo desconhecido para a maior parte deles. Geralmente, os desenvolvedores buscam a documentação sobre uma determinada plataforma na web. Como alternativa, a Nokia e a Microsoft propõem treinamentos e suporte em português para tirar dúvidas sobre o Windows Phone, desde a parte técnica até sobre como ganhar dinheiro com o aplicativo.
    A possibilidade de ganhar dinheiro com aplicativos atraiu Marcos Valério Perboni, estudante da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), para o evento da Nokia. Atualmente, ele desenvolve aplicativos apenas na linguagem Java. “Há um mês ganhei um curso da Nokia na minha universidade e me interessei em estudar a plataforma Windows Phone”, diz Perboni.

    Cursos
    O curso oferecido na PUC-SP faz parte de uma série de eventos em universidades de todo o País, que ocorrem desde setembro de 2011. As palestras são ministradas por pesquisadores do Instituto Nokia de Tecnologia (INDT), que fica em Manaus (AM). Todo ano, a Nokia investe cerca de US$ 70 milhões no centro de pesquisa e parte deste dinheiro está sendo direcionada para disseminar o Windows Phone entre os desenvolvedores no Brasil.
    Segundo Daniel Rocha, gerente de ecossistema e serviços da Nokia, a empresa possui 18 pesquisadores focados na plataforma da Microsoft no INDT. Além dos cursos, eles oferecem suporte aos desenvolvedores sobre o Windows Phone. “Muitos desenvolvedores da plataforma Windows se interessaram e, em muitos casos, estamos tendo que limitar o número de inscrições para o evento”, disse Rocha, ao iG. Só no evento de sexta, o número de inscrições chegou a 500, mas só havia 300 vagas.
    23 março 2012

    GeForce GTX 680

    Nvidia apresenta a placa de vídeo mais rápida do mundo: a GeForce GTX 680

    A empresa fabricante de componentes para computadores Nvidia, lançou nesta quinta-feira, 22 de março a sua mais nova e tecnológica placa de vídeo, a GeForce GTX 680, baseada na micro-arquitetura Kepler

    Nvidia apresenta a placa de vídeo mais rápida do mundo: a GeForce GTX 680
    A empresa fabricante de componentes para computadores Nvidia, lançou nesta quinta-feira, 22 de março a sua mais nova e tecnológica placa de vídeo, a GeForce GTX 680, baseada na micro-arquitetura Kepler.
    A GeForce GTX 680 tem como promessa ser a mais rápida placa de vídeo do mundo. Na oportunidade a Nvidia também apresentou a GeForce 600M, para o uso em notebook.
    Mas voltando a novíssima GTX 680, encontramos várias novidades, entre elas, o novo bloco processador de fluxo, que oferece o dobro de desempenho por watt, também encontramos os novos componentes silenciosos da placa, isso mesmo, a Nvidia promete mais silencio por parte da GTX680 com o GPU Boost, que ajusta as velocidades da GPU automaticamente e assim melhora em muito o desempenho nos games.
    Mas não para por ai não as novidades desta maravilha, na placa de vídeo da Nvidia o usuário também encontrará novas tecnologias de anti-aliasing para o aperfeiçoamento do visual dos games, além do suporte para até quatro monitores independentes, entre eles três em 3D, com apenas uma só placa.
    A GTX 680 tem capacidade para suportar a terceira geração de PCI-E e DirectX 11.1. Mas entre todas as novidades a que o usuário irá gostar mais, é a melhoria no consumo de energia onde a nova placa de vídeo da Nvidia consome apenas 195 w.
    Apresentada então nesta quinta-feira, a GeForce GTX 680 chega hoje nos Estados Unidos a um valor de US$ 499.00 por fabricantes como Asus, MSI, PNY e Gigabyte. Aqui no Brasil a GTX 680 deve custar R$ 1.999,00.
    Já a GeForce 600M, lançada para notebooks, será lançada para os aparelhos da Asus, Acer, Dell, HP, Lenovo, LG, Samsung, Sony e Toshiba.

    Seguidores